O SAL de PORTUGUAL

Ao caminhar em tuas calçadas, do Tejo à Torre de Belém, senti acelerar cada vez mais 
forte meu peito esquerdo, o pulsar sem me fazer prevenir,  de um marujo ao partir na 
caravela a desbravar, tal um  amor inesperado. Senti forte teu vento a desafiar meu  
rosto, o teu sol a me dar o gosto de sal ...  o SAL de Portugal

https://amauroboliveira.files.wordpress.com/2011/05/o-sal-de-portugal.pdf
Esse post foi publicado em 4. POESIAS Publicadas. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s